A GEOBIOLOGIA NA PRÁTICA - 04

Praticam-se hoje no Brasil e no mundo três tipos diferentes de geobiologia:

1. A Geobiologia acadêmica, relacionada com a higiene ambiental e com o que hoje se denomina Síndrome do Edifício Doente. Sua atenção é voltada para a qualidade do ar, a correta administração das emissões eletromagnéticas, para a qualidade da iluminação, para a escolha adequada dos materiais de construção e para o impacto ambiental resultante da mesma. Conjunto de protocolos seguido por arquitetos e engenheiros

2. A Geobiologia esotérica, que contempla alguns aspectos ecológicos e de impacto ambiental, mas que contém uma forte visão sobre o mundo oculto, esotérico, aqueles das forças elementares da natureza. É o mundo das fadas, dos devas, dos espíritos.
Ainda neste grupo encontramos os defensores da chamada Geometria Sagrada, da Arquitetuta Sagrada, cujo diapasão é o Número Áureo, o qual serve de medida reguladora para o edifício. Consideramos está opção uma interpretação errada das técnicas construtivas dos “Francs Maçons”, os construtores das catedrais góticas na Europa. O resultado é um edifício esteticamente equilibrado, de uma harmonia sutil, mas que vibra em “Magia”. Como sempre aconteceu em algum tempo surgirá outro modismo (febre) e tudo isto será abandonado em prol do novo. Bom para o equilíbrio ambiental (desequilíbrio).

3. A Geobiologia Solar, que contempla alguns dos aspectos relacionados acima, mas que é regida pela aplicação da chamada Triade Vitruviana (firmitas, utilitas, venustas) hoje acrescida do novo princípio (navitas ou buono navitas)* e ainda pelas três fórmulas aplicadas pelos “Francs Maçons” (os arquitetos medievais) nas construções clássicas que resultaram nos chamados Templos Solares.
* Conceito acrescido por A. Rodrigues
A Geobiologia Solar propõe a construção do edifício solar, aquele que se beneficia dos ritmos vibratórios cósmicos e telúricos e que promove uma adequada interação entre o edifício, aquele que o habita e a natureza em seu entorno. Mais informações em meu livro Geobiologia – Uma Arquitetura para o Século XXI.

© 2018 por TOM SHAPIRO